domingo, 20 de março de 2016

Descrição detalhada do "Melhor da Índia" num roteiro low cust

(Foto: Wolf at The Door)

Tal como prometido, meus 5.75 leitores, aqui fica a descrição detalhada do melhor da Índia em quatro semanas num roteiro low cust:

Dias 1 a 3 – Chegada a Nova Delhi, onde ficámos alojados na parte velha da cidade. A adaptação à Índia não é fácil e, nos primeiros dias, torna-se um pouco agressiva. Os cheiros, a comida e a falta de higiene não ajudam, mas, ao fim de alguns dias, acabamos por nos habituar. Como não tínhamos muito tempo, optámos pelo “best off” de Delhi, nomeadamente pelo circuito dos monumentos classificados como património mundial: Red Fort; Qutub Minar e o túmulo de Humayun. Visitámos a parte muçulmana, o “India Gate” e o “Lotus Temple”, local de culto dirigido a todas as religiões do mundo. Apanhei uma gastroenterite, que durou quatro dias, e, pela primeira vez na vida, achei que ia morrer. A partida para Jaipur foi difícil, porque desfaleci na estação de comboios. Estava a arder em febre e mal me aguentava em pé.
 (Lotus Temple, Delhi. Foto: Wolf at The Door)
 (Red Fort, Delhi. Foto: Wolf at The Door)
 (Índia Gate, Delhi. Foto: Wolf at The Door)

Dias 4 a 7 – Felizmente, o hotel em Jaipur (Rajastão), a cidade “cor-de-rosa” da novela: “O caminhos das Índias”, era limpo, confortável e permitiu-me descansar e recuperar algumas forças. Pela dispersão dos locais de interesse, contratámos o melhor rickshaw driver da Índia: o Nana. Por um preço ridículo (cerca de onze euros) levou-nos a locais saídos de um conto de fadas. O “Amber Fort”, espécie de citatela onde a arquitetura muçulmana se funde com hindu; o “Wind Palace”, o “Jahl Mahal”, o “Jantar Mantar”, Património da Humanidade”, a "linha de fortes do Rajastão", também património Mundial, ou o “templo dos macacos”, foram alguns dos locais de interesse onde o Nana nos levou e que ficarão, para sempre, guardados na nossa memória. 

(Jhal Mahal, Jaipur. Foto: Wolf at The Door)
(Amber Fort, Jaipur. Foto: Wolf at The Door)
(Amber Fort, Jaipur. Foto: Wolf at The Door)
(Jaipur. Foto: Wolf at The Door)


Dias 8 e 9: Digam o que disserem, Agra é uma favela gigante, com o monumento mais belo e sublime do planeta bem no centro: o Taj Mahal. A ligação entre as duas cidades foi feita de comboio e ficámos no pior alojamento do mundo, onde nem as torneiras se conseguiam abrir, dado o estado de corrosão. Chegámos ao final do dia e acordámos pelas cinco da manhã para ver um fenómeno único: O nascer do Sol no interior do Taj. O iluminar, progressivo, do mármore branco, é de cortar a respiração. Não podem morrer sem esta experiência, meus 5.75 leitores. Seria uma morte triste. Aproveitámos Agra para visitar o “Agra Fort” e “Fathepur Sikri”, uma mega cidade arqueológica do século XVI, classificada Património Mundial, que se encontra muito bem preservada e que foi a antiga capital da Índia. O sítio é incrível, com monumentos fabulosos, mas, se a visitarem recomendo que contratem um guia, coisa que não fizemos, pelo que ficámos sem perceber a funcionalidade de metade das construções. Mas poupámos umas rupias. Isso é que interessa. 
(Taj Mahal, Agra. Foto: Wolf at The Door)
(Agra Fort,com o Taj ao fundo. Foto: Wolf at The Door)

(Taj Mahal, Agra. Foto: Wolf at The Door)
 (Fathepur Sikri. Foto: Wolf at The Door)


Dias 10 a 13 – Fizemos a ligação entre Agra e Varanasi, na penúltima classe de um comboio que não tinha vidro nas janelas pelo que, quando chegámos, o meu cabelo estava pejado de gafanhotos [espetacular]. De acordo com a lenda, Varanasi surgiu, há mais de três mil anos, do tridente de “Lord Sheeva”, pelo que é a cidade mais sagrada da Índia. Situada nas margens do Ganges, diz-se que foi o local onde as cinzas do beatle George Harrison, convertido ao hinduísmo, foram espalhadas. A cidade é simplesmente mágica, apesar de ser o sitio com mais lixo que encontrámos em toda a viagem. Tentámos cumprir o circuito dos templos, assistir à cerimonia a Sheeva que se realiza todos os dias ao anoitecer, e contemplar o nascer do sol num barco no Ganges. Foi literalmente brutal. Assistimos aos mortos a serem cremados nas piras [como podem ver na foto], vimos corpos a boiar, fomos abençoados pelo sadu, e saímos de Varanasi com muita vontade de voltar, porque se há sitio no planeta onde o espírito se eleva, é ali. Ainda tivemos tempo para passar no “Blue Lassi”, estabelecimento mundialmente reconhecido por vender o melhor lassi do planeta, e para experimentar um restaurante italiano, que servia um pesto de comer e chorar por mais. Foi a chamada "combinação improvável", mas, na Índia, tudo é possível. 


(Varanasi. Foto: Wolf at The Door)
(Banho ritual no Ganges, Varanasi. Foto: Wolf at The Door)
(Piras, com corpos humanos, Varanasi. Foto: Wolf at The Door)
(Banho ritual no Ganges, Varanasi. Foto: Wolf at The Door)

Dias 14 a 17A ligação entre Varanasi e Mumbai foi feita de avião. As distâncias na Índia são demasiado grandes e não havia tempo a perder. À nossa espera estava a maravilhosa Elaine, goesa, amiga de uma amiga, que nos acolheu em sua casa. A estadia em Mumbai foi maravilhosa. Visitámos as Elephanta Caves, Património Mundial da Unesco, e os sítios atacados durante os atentados de 2008: o Leopold Café e  o Taj Mahal Palace Hotel, locais incríveis que ainda conservam as marcas das balas. Por 15 euros tomámos o luxuoso “Chá das Cinco”, no Taj. Um buffet magnífico que, para quem já não via comida decente há semanas, foi a visão do paraíso. Pela primeira vez pude usar calças de ganga, beber coca-cola e comer no MacDonalds. As roupas indianas tinham ficado para trás, e, a pouco e pouco, a ocidentalidade voltava a tomar conta de mim.  

(Mumbai. Foto: Wolf at The Door)
(Dhobi Ghat, Mumbai. Foto: Wolf at The Door)
(Taj Mahal Palace, Mumbai. Foto: Wolf at The Door)
Dias 18 a 27 – A chegada a Goa foi um tanto atribulada. Apesar de os bilhetes de comboio estarem marcados com dois meses de antecedência, desconhecíamos a existência da percentagem de lugares reservados a estrangeiros, pelo que ficámos apeados. Felizmente, a Elaine fez uns telefonemas e lá nos arranjou vaga num autocarro de terceira classe. Três pneus furados, cinquenta filmes de Bollywood, e dezassete horas depois, lá chegámos a Margão, na mais penosa viagem de bus que já fiz na vida. À nossa espera estava a Mama Ethel, mãe de uma amiga, que nos recebeu em sua casa como se fossemos da família. Goa era o último destino da nossa viagem, e tudo o queríamos era descansar, conhecer os vestígios da presença portuguesa na Índia, e ter as merecidas férias das férias. Visitámos Pangim, Margão, “Old Goa”, Património da Unesco, e fomos uns dias para um resort localizado a norte, onde nos trataram como marajás. Se a hospitalidade indiana é excelente, a goesa é imbatível, e, desde saídas à noite, bares na praia, festas na piscina, tivemos direito ao melhor do melhor. Estes foram, sem dúvida, os melhores momentos da viagem. Se acham que gostam de festa vão a Goa, porque aquele pessoal é imbatível. Na verdade foi como se estivéssemos em casa. Partimos com lágrimas nos olhos, com a sensação de deixar a segunda família para trás. Fizemos amigos que tenho orgulho de manter, até hoje, e tenciono voltar, em breve, porque muito ficou por explorar e por viver. Podemos sair da Índia, mas a Índia, jamais, sairá de nós.


(Old Goa. Foto: Wolf at The Door)
(Resort em North Goa. Foto: Wolf at The Door)
(Vaca na Praia, Goa. Foto: Wolf at The Door)
(Igreja da Nossa Senhora da Conceição, Pagim, Goa. Foto: Wolf at The Door)
(Igreja de São Francisco de Assis, Old Goa. Foto: Wolf at The Door)

Sem comentários :

Publicar um comentário